Em pleno Porto Maravilha está nascendo um projeto único.

Galeria de Imagens

Ficha Tecnica Ficha Técnica

Empreendimento

Área do Terreno - Porto Atlântico Leste:
16.681m²
Área do Terreno - Porto Atlântico Oeste:
11.851m²

Saiba mais

A grande operação do Porto Maravilha traz à zona portuária do Rio de Janeiro um novo cenário. Com o objetivo de revitalizar a região e reintegrá-la à cidade, toda sua infraestrutura será reconstituída e modernizada, na maior parceria público-privada do Brasil. A proposta é trazer novos empreendimentos para o local, com uma dinâmica mais moderna e a implantação de um novo padrão de serviços urbanos, promovendo o desenvolvimento socioeconômico e benefícios para os moradores e usuários daquela área.


Pólo de negócios, turismo, lazer e cultura, o Porto Maravilha está localizado em um ponto estratégico para os negócios. Além de ser uma extensão natural do Centro, coração financeiro da cidade, terá a abertura de túneis e ciclovias, que facilitarão o fluxo de pessoas e o acesso às demais regiões da cidade. Está a poucos minutos do Aeroporto Santos Dumont e de vias expressas que levam rapidamente à Zona Sul, Zona Norte, ponte Rio-Niterói, Aeroporto Internacional e à região do Comperj. E no coração do Porto está o Porto Atlantico, ou seja, o seu negócio não poderia estar mais bem localizado.

CERTIFICAÇÃO LEED | BLOCO 3

O United States Green Building Council (USGBC) é uma organização não governamental que reúne líderes de Mercado no setor da construção e da arquitetura, promovendo edifícios que sejam ambientalmente responsáveis, economicamente atrativos e que ofereçam espaços saudáveis para se trabalhar e viver.

    Um Green Building é um edifício de alto desempenho ambiental, cujas características incluem, entre outras:
  • Redução do consumo de energia e água,
  • Uso racional de recursos naturais não renováveis,
  • Integração de equipes de projetos e obra em busca das melhores soluções para o edifício;
  • Aumento da qualidade real do ambiente construído, melhorando a saúde e a produtividade dos futuros usuários.

O LEED® (Leadership in Energy and Environmental Design) é um referencial técnico norte-americano elaborado a partir de acordos setoriais, que tem como finalidade desenvolver critérios mínimos e parâmetros para avaliação e comparação entre edifícios sustentáveis e de alta performance.

    Além de atendimento de toda legislação ambiental vigente, para a certificação LEED, o empreendimento deverá atender a oito pré-requisitos (itens obrigatórios):
  • Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção;
  • Redução de 20% no consumo de água potável;
  • Comissionamento básico dos sistemas que consomem energia;
  • Eficiência energética com economia mínima de 10%;
  • Proibição de CFC;
  • Implementação de Depósito de Recicláveis;
  • Qualidade mínima do ar interno;
  • Controle da fumaça de tabaco.

Uma vez atendidos os pré-requisitos, o empreendimento deverá seguir os requisitos de uma série de créditos, que acumulam pontos. Na versão 2009, a pontuação varia entre 40 pontos (mínimo) e 110 pontos (máximo).

Terreno Sustentável Pontos possíveis: 28 Meta
Prereq 1 Prevenção de poluição nas atividades de construção: Obrigatório
Crédito 1 Escolha do terreno: 1 ponto Sim
Crédito 2 Densidade urbana e comunidade local: 5 pontos Sim
Crédito 3 Recuperação de áreas contaminadas: 1 ponto Não
Crédito 4.1 Transporte alternativo: Acesso ao transporte público: 6 ponto Sim
Crédito 4.2 Transporte alternativo: Bicicletário e vestiários: 2 pontos Sim
Crédito 4.3 TTransporte alternativo: Veículos de baixa emissão e baixo consumo: 3 pontos Sim
Crédito 4.4 Transporte alternativo: Estacionamentos: 2 pontos Sim
Crédito 5.1 Desenvolvimento local: Habitats naturais: 1 ponto Não
Crédito 5.2 Desenvolvimento local: Área livre de construção: 1 ponto Sim
Crédito 6.1 Projeto para drenagem de águas pluviais: Controle de quantidade: 1 ponto Não
Crédito 6.2 Projeto de drenagem de águas pluviais: Controle de qualidade: 1 ponto Não
Crédito 7.1 Ilhas de calor: Não-cobertura: 1 ponto Sim
Crédito 7.2 Ilhas de calor: Cobertura: 1 ponto Sim
Crédito 8 Diretrizes de projeto e construção para locatários: 1 ponto Não
Crédito 9 Diretrizes de projeto e construção para locatários: 1 ponto Sim
Uso Racional de Água Pontos possíveis: 10 Meta
Prereq 1 Redução no consumo de água: Reduzir 20% Obrigatório
Crédito 1 Água potável para paisagismo: Reduzir 50%: 2 pontos Sim
Crédito 1 Água potável para paisagismo: Reduzir 100%: + 2 pontos Sim
Crédito 2 Tecnologias inovadoras para efluentes: 2 pontos Sim
Crédito 3 Redução no consumo de água: Reduzir 30%: 2 pontos Sim
Crédito 3 Redução no consumo de água: Reduzir 35%: + 1 ponto Sim
Crédito 3 Redução no consumo de água: Reduzir 40%: + 1 ponto Sim
Energia e atmosfera Pontos possíveis: 37 Meta
Prereq 1 Comissionamento básico dos sistemas que consomem energia Obrigatório
Prereq 2 EEficiência energética mínima Obrigatório
Prereq 3 Proibição de CFC Obrigatório
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 12%: 3 pontos Sim
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 14%: + 1 ponto Sim
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 16%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 18%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 20%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 22%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 24%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 26%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 28%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 30%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 32%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 34%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 36%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 38%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 40%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 42%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 44%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 46%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 48%: + 1 ponto Não
Crédito 2 Energia renovável no local: 4 pontos Não
Crédito 3 Comissionamento avançado: 2 pontos Sim
Crédito 4 Gestão avançada do gás refrigerante: 2 pontos Não
Crédito 5.1 Medição e verificação: Edificação: 3 pontos Sim
Crédito 5.2 Medição e verificação: Unidades locadas: 3 pontos Sim
Crédito 6 Energia limpa: 2 pontos Não
Materiais e Recursos Pontos possíveis: 13 Meta
Prereq 1 Depósito de Recicláveis Obrigatório
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 25%: 1 ponto Não
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 33%: 1 ponto Não
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 42%: 1 ponto Não
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 50%: 1 ponto Não
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 75%: 5 pontos Não
Crédito 2 Gestão de resíduos em obra: 50% fora do aterro: 1 ponto Sim
Crédito 2 Gestão de resíduos em obra: 75% fora do aterro: + 1 ponto Sim
Crédito 3 Reúso de materiais: 5%: 1 ponto Não
Crédito 4 Conteúdo reciclado: 10% (pós-consumo + ½ pré-consumo): 1 ponto Sim
Crédito 4 Conteúdo reciclado: 20% (pós-consumo + ½ pré-consumo): + 1 ponto Não
Crédito 5 Materiais regionais: 10%: 1 ponto Sim
Crédito 5 Materiais regionais: 20%: + 1 ponto Sim
Crédito 6 Madeira certificada FSC: 1 ponto Sim
Qualidade no Ambiente Interno Pontos possíveis: 12 Meta
Prereq 1 Qualidade do ar Interno Obrigatório
Prereq 2 Controle da fumaça de tabaco Obrigatório
Crédito 1 Monitoramento do ar exterior: 1 ponto Não
Crédito 2 Ventilação adicional: 1 ponto Não
Crédito 3 Plano para qualidade interna do ar durante a obra: 1 ponto Sim
Crédito 4.1 Materiais com baixo VOC: Adesivos e selantes: 1 ponto Sim
Crédito 4.2 Materiais com baixo VOC: Tintas e revestimentos: 1 ponto Sim
Crédito 4.3 Materiais com baixo VOC: Sistemas de piso: 1 ponto Sim
Crédito 4.4 Materiais com baixo VOC: Comp. Madeiras e fibras naturais: 1 ponto Não
Crédito 5 Controle de fontes poluidoras e prod. químicos no ambiente interno: 1 ponto Não
Crédito 6 Controlabilidade dos sistemas: Conforto térmico: 1 ponto Não
Crédito 7 Conforto térmico: Projeto ASHRAE 55: 1 ponto Sim
Crédito 8.1 Iluminação natural para 75% dos espaços: 1 ponto Não
Crédito 8.2 Acesso a paisagens para 90% dos espaços: 1 ponto Sim
Inovação de Projeto Pontos possíveis: 6 Meta
Crédito 1.1 ID: Programa de educação ambiental: 1 ponto Sim
Crédito 1.2 ID Torre de Resfriamento: 1 ponto Não
Crédito 1.3 SSc4.1 - Transporte Alternativo, Acesso ao transporte público: 1 ponto Sim
Crédito 1.4 SSc7.1 Ilhas de calor, Não-cobertura: 1 ponto Sim
Crédito 1.5 SSc5.2 Desenvolvimento local, Área livre de construção: 1 ponto Sim
Crédito 2 Profissional acreditado LEED® : 1 ponto Sim
Prioridades Regionais Pontos possíveis: 4 Meta
Crédito 1.1 WEc1 Água potável para paisagismo: 1 ponto Sim
Crédito 1.2 EAc1 Otimizar eficiência energética: 1 ponto Sim
Crédito 1.3 EAc5 Medição e verificação: 1 ponto Sim
Crédito 1.4 EAc3 Comissionamento avançado: 1 ponto Sim

principais diferenciais e estratégias

  • Critérios para escolha do terreno
  • Conectividade com a comunidade

Créditos LEED correlacionados: SSc1 e SSc2

A escolha terreno do Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco 1) seguiu alguns critérios de sustentabilidade para minimizar seus impactos, como: Não é uma área primariamente agrícola, não apresenta espécies ameaçadas de extinção, não é uma área sujeita à inundações, não é um manguezal e não é um parque ou equipamento público de lazer.
Adicionalmente, o local de implantação do projeto oferece diversos serviços nas proximidades, reduzindo a necessidade de deslocamentos para seus ocupantes.

  • Fácil acesso ao transporte público
  • Infraestrutura para ciclistas
  • Vagas preferenciais para veículos de baixa emissão e baixo consumo
  • Incentivo ao uso de métodos de transporte alternativos

O empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco 1) está localizado próximo a dois pontos de ônibus na Rua Professor Pereira Reis. Dessa forma, o empreendimento irá contribuir com a diminuição das emissões de gases de efeito estufa e do consumo de recursos naturais, impactos diretamente relacionados ao uso de transporte individual.

O empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco1) incentiva o uso da bicicleta como meio de deslocamento diário de seus usuários através da promoção de infraestrutura adequada, composta por bicicletário e vestiários para seus ocupantes.A bicicleta é considerado um meio detransporte de baixo impacto ambiental,pois dispensa o uso de recursos não renováveis e não é poluente. O empreendimento dispõe de um bicicletário seguro com 56 vagas e vestiários equipados com chuveiros e armários. Para garantir a segurança e a comodidade dos ciclistas, foi criado um projeto de sinalização com identificação do percurso e da infraestrutura disponível.

O projeto prevê poucas vagas de estacionamento para carros, atendendo apenas a legislação e incentivando o uso de métodos de transporte alternativos.
Além disso, este empreendimento incentiva o uso veículos de baixa emissão e baixo consumo, disponibilizando 48 vagas preferenciais para usuários com estes veículos. As vagas estãodivididas nos 4 subsolos em posições privilegiadas, próximas ao Hall de entrada do edifício.

  • Open Space em 33% do terreno

O projeto oferece 8.893 m² de ambientes abertos, promovendo a biodiversidade e 33% de Open Spacesem relação à ocupação dos edifícios.

  • Cobertura pintada em cores claras

O empreendimento Porto Atlântico - Equador Leste (Bloco 1) possui mais de 75% de pintura da cobertura com SRI (índice de refletância solar) acima de 78, estratégia que evita a absorção excessiva de calor para a melhoria do microclima urbano e o bem estar das pessoas.

  • Utilização de água de reuso parra irrigação
  • Utilização de dispositivos sanitários economizadores de água
  • Redução de 50% da demanda anual de água potável do empreendimento

O empreendimento Porto Atlântico - Equador Leste (Bloco 1) adotou como estratégia para a redução do consumo de água potável para abastecimento das suas demandas, a utilização de dispositivos de baixo consumo de água, como bacias de duplo acionamento, equipamentos de controle de vazão e fechamento automatizado nas torneiras.

  • Eficiência energética de 15,40% acima de um edifício padrão ASHRAE 90.1-2007 ¹
  • Sistema de iluminação artificial de elevada eficiência luminosa e baixo consumo energético
  • Comissionamento dos sistemas que consomem energia
  • Motores elétricos trifásicos de alto rendimento
  • Medição setorizada do consumo de energia das áreas comuns por uso final
  • Medição de energia individualizada por locatário

(1) Ashrae–American Society of Heating, Refrigerating and Air-Conditioning Engineers –Norma Norte Americana onde estão estabelecidos os padrões de eficiência energética para diferentes tipologias de edificações.

As estratégias de eficiência energéticas adotadas no projeto representaram uma economia no custo de energia de 15,40% em relação ao baseline estipulado pela norma norte-americana ASHRAE 90.1-2007.
As principais estratégias implementadas no edifício foram:
Iluminação:
O desligamento automático da iluminação de áreas externas será controlado por meio de fotocélulas integradas à automação. O acionamento se dará por ausência de luz natural por meio de relé fotoelétrico e programação horária para desligamento por meio da automação.
Algumas áreas de circulação e o hall dos andares de estacionamento serão controlados por sensor de presença. Os demais pontos de iluminação interna de área comum estão integrados à automação para desligamento por meio de programação horária.
O consumo de energia da iluminação do edifício é 14% menor do que um edifício comum

Sistema de Ar Condicionado:
O edifício faz parte de um condomínio com sistema de ar condicionado de alta performance,com isolamento térmico de tubos e dutos conforme requisitos da ASHRAE 90.1-2007. O projeto conta com tecnologias inovadoras para uma operação eficiente ao longo do ciclo de vida da edificação.
Medição setorizada de consumo de energia:
Está previsto em projeto um sistema de leitura remota para monitorar o consumo de energia por uso final dos sistemas prediais nas áreas comuns do empreendimento, para garantir a eficiência energética e otimizar o sistema operacional do edifício.
Comissionamento:
Todos os sistemas que consomem energia foram comissionados para garantir o funcionamento adequado e eficiente, como uma garantia adicional para o greenbuilding.Além disso o CTE elaborou treinamentos para a equipe de operação predial e organizou os manuais dos sistemas.

  • Taxa de renovação de ar externo acima do mínimo recomendado
  • Proibição de fumo em todo o empreendimento
  • Controle de emissão de Compostos Orgânicos Voláteis (COV)nos acabamentos

É premissa do empreendimento a proibição do fumo em todas as áreas internas e externas com exceção do fumódromo, o que limita a exposição dos usuários aos compostos tóxicos e cancerígenos do tabaco, além de promover uma reflexão dos riscos do fumo à saúde humana.
A garantia da qualidade do ar em ambientes de trabalho proporciona o aumento da produtividade e bem estar dos ocupantes. Por esta razão, no empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco 1) , a renovação de ar externo supera as taxas recomendadas pela associação Norte Americana de sistemas de ar condicionado - ASHRAE 62.1-2004.

Todos os materiais de acabamento do empreendimento passaram por um rigoroso controle quanto aos níveis de emissão de Compostos Orgânicos Voláteis(COV),elementos químicos que volatilizam em condições ambiente e são nocivos à saúde humana, além de contribuírem para a poluição atmosférica. O controle da semissões de COV melhora a qualidade do ar promovendo o bem estar dos funcionários da obra e dos futuros ocupantes do empreendimento.
As tintas e adesivos utilizados tem a água como base para a sua composição e, para os pisos, foram priorizados materiais de origem mineral, que não possuem COV, como concreto. Os pisos cerâmicos escolhidos possuem o selo FloorScore, que garante a emissão mínimados COVs para a qualidade do ambiente interno.

  • Prevenção de poluição nas atividades de construção
  • 96,96% dos resíduos de obra desviados de aterros sanitários
  • 21,01% de materiais com conteúdo reciclado
  • 63,96% de materiais regionais
  • 69,93% de madeira certificada FSC
    Para minimizar a poluição gerada nas atividades de construção, foi implementado um plano de prevenção da poluição do ar, da água e do solo contendo estratégias como:
  • Sistema de lavagem de rodas de veículos evitando as saída de sedimentos do canteiro para a rodovia de acesso;
  • Sistema de lavagem das bicas dos caminhões de concreto;
  • Contenção de saída de sedimentos nos acessos e sob o tapume;
  • Controle de sólidos sedimentáveis e turbidez nos efluentes lançados na drenagem pluvial;
  • Controle de vazamentos de maquinário e equipamentos;
  • Controle da geração de poeira com estabilização de vias e aspersão de água
  • Proteção das bocas de lobos para contenção dos sedimentos na rede de drenagem pluvial interna;
  • Dedicação exclusiva de funcionários para limpeza da obra e manutenção constante das estratégias.
  • Todas as estratégias foram planejadas previamente, através de projetos de canteiro, de forma a antecipar todas as etapas com o objetivo de implementar as ações necessárias de forma preventiva.

    Além de minimizar os impactos causados na vizinhança, as estratégias listadas garantem o bem estar dos funcionários da obra.

A gestão consciente dos resíduos de obra ocorreu durante todo o processo de construção.
Os resíduos gerados foram separados por tipo e classe de acordo com a Resolução do CONAMA 307/02 e encaminhados cada qual para a sua destinação, sempre com o objetivo de reuso e reciclagem. Os resíduos perigosos foram encaminhados separadamente para aterros autorizados e para co-processamento.
Todo o processo de destinação de resíduos foi controlado através de documentos que comprovam o transporte e a destinação. Todas as partes envolvidas no processo estão legalmente aptas a exercerem às atividades de transporte, armazenamento, reciclagem e aterro.

O empreendimento optou pela escolha de materiais regionais, extraídos, manufaturados e beneficiados dentro de um raio de 800Km da obra, que além de incentivar a economia local, contribuem com a redução no consumo de energia e na emissão de gases de efeito estufa relacionados aos deslocamentos com transporte. Também foram selecionados materiais com conteúdo reciclado, que contribuem para diminuição do consumo de matéria prima virgem, dos gastos energéticos e da emissão de poluentes, relacionados à produção de novos materiais.
Foram adquiridas apenas madeiras com certificação FSC em elementos incorporados nos edifícios. Essa certificação controla toda a cadeia de custódia de produção da madeira, desde a sua extração até os trabalhos da marcenaria e vendas, contribuindo para a redução do desmatamento e do comércio de madeira ilegal.

  • Promoção de infraestrutura para a reciclagem
  • Programa de Educação ambiental e Manual dos Locatários

Para garantir a prática de reciclagem no uso e operação do empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste, foi construído um depósito central específico para os resíduos recicláveis, separado dos depósitos de resíduos comuns. Além disso, para facilitar a logística de retirada dos resíduos e conscientizar os usuários do empreendimento, existem também depósitos temporários nos armazéns com espaço para resíduos recicláveis e não recicláveis.
Além do website para o Programa de Educação Ambiental, o empreendimento possui um Manual do Locatário com informações referentes a seus diferenciais ambientais e com orientações de boas práticas para que os usuários possam ter uma vida mais saudável e sustentável.

CERTIFICAÇÃO LEED | BLOCO 1

O United States Green Building Council (USGBC) é uma organização não governamental que reúne líderes de Mercado no setor da construção e da arquitetura, promovendo edifícios que sejam ambientalmente responsáveis, economicamente atrativos e que ofereçam espaços saudáveis para se trabalhar e viver.

    Um Green Building é um edifício de alto desempenho ambiental, cujas características incluem, entre outras:
  • Redução do consumo de energia e água,
  • Uso racional de recursos naturais não renováveis,
  • Integração de equipes de projetos e obra em busca das melhores soluções para o edifício;
  • Aumento da qualidade real do ambiente construído, melhorando a saúde e a produtividade dos futuros usuários.

O LEED® (Leadership in Energy and Environmental Design) é um referencial técnico norte-americano elaborado a partir de acordos setoriais, que tem como finalidade desenvolver critérios mínimos e parâmetros para avaliação e comparação entre edifícios sustentáveis e de alta performance.

    Além de atendimento de toda legislação ambiental vigente, para a certificação LEED, o empreendimento deverá atender a oito pré-requisitos (itens obrigatórios):
  • Prevenção de Poluição nas Atividades de Construção;
  • Redução de 20% no consumo de água potável;
  • Comissionamento básico dos sistemas que consomem energia;
  • Eficiência energética com economia mínima de 10%;
  • Proibição de CFC;
  • Implementação de Depósito de Recicláveis;
  • Qualidade mínima do ar interno;
  • Controle da fumaça de tabaco.

Uma vez atendidos os pré-requisitos, o empreendimento deverá seguir os requisitos de uma série de créditos, que acumulam pontos. Na versão 2009, a pontuação varia entre 40 pontos (mínimo) e 110 pontos (máximo).

Terreno Sustentável Pontos possíveis: 28 Meta
Prereq 1 Prevenção de poluição nas atividades de construção: Obrigatório
Crédito 1 Escolha do terreno: 1 ponto Sim
Crédito 2 Densidade urbana e comunidade local: 5 pontos Sim
Crédito 3 Recuperação de áreas contaminadas: 1 ponto Não
Crédito 4.1 Transporte alternativo: Acesso ao transporte público: 6 ponto Sim
Crédito 4.2 Transporte alternativo: Bicicletário e vestiários: 2 pontos Sim
Crédito 4.3 TTransporte alternativo: Veículos de baixa emissão e baixo consumo: 3 pontos Sim
Crédito 4.4 Transporte alternativo: Estacionamentos: 2 pontos Sim
Crédito 5.1 Desenvolvimento local: Habitats naturais: 1 ponto Não
Crédito 5.2 Desenvolvimento local: Área livre de construção: 1 ponto Sim
Crédito 6.1 Projeto para drenagem de águas pluviais: Controle de quantidade: 1 ponto Não
Crédito 6.2 Projeto de drenagem de águas pluviais: Controle de qualidade: 1 ponto Não
Crédito 7.1 Ilhas de calor: Não-cobertura: 1 ponto Sim
Crédito 7.2 Ilhas de calor: Cobertura: 1 ponto Sim
Crédito 8 Diretrizes de projeto e construção para locatários: 1 ponto Não
Crédito 9 Diretrizes de projeto e construção para locatários: 1 ponto Sim
Uso Racional de Água Pontos possíveis: 10 Meta
Crédito 1 Redução no consumo de água: Reduzir 20% Obrigatório
Crédito 1 Água potável para paisagismo: Reduzir 50%: 2 pontos Sim
Crédito 1 Água potável para paisagismo: Reduzir 100%: + 2 pontos Sim
Crédito 2 Tecnologias inovadoras para efluentes: 2 pontos Não
Crédito 3 Redução no consumo de água: Reduzir 30%: 2 pontos Não
Crédito 3 Redução no consumo de água: Reduzir 35%: + 1 ponto Não
Crédito 3 Redução no consumo de água: Reduzir 40%: + 1 ponto Não
Energia e atmosfera Pontos possíveis: 37 Meta
Prereq 1 Comissionamento básico dos sistemas que consomem energia Obrigatório
Prereq 2 EEficiência energética mínima Obrigatório
Prereq 3 Proibição de CFC Obrigatório
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 12%: 3 pontos Sim
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 14%: + 1 ponto Sim
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 16%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 18%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 20%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 22%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 24%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 26%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 28%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 30%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 32%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 34%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 36%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 38%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 40%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 42%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 44%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 46%: + 1 ponto Não
Crédito 1 Otimizar eficiência energética: Reduzir 48%: + 1 ponto Não
Crédito 2 Energia renovável no local: 4 pontos Não
Crédito 3 Comissionamento avançado: 2 pontos Sim
Crédito 4 Gestão avançada do gás refrigerante: 2 pontos Não
Crédito 5.1 Medição e verificação: Edificação: 3 pontos Sim
Crédito 5.2 Medição e verificação: Unidades locadas: 3 pontos Sim
Crédito 6 Energia limpa: 2 pontos Não
Materiais e Recursos Pontos possíveis: 13 Meta
Prereq 1 Depósito de Recicláveis Obrigatório
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 25%: 1 ponto Não
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 33%: 1 ponto Não
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 42%: 1 ponto Não
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 50%: 1 ponto Não
Crédito 1 Reúso do edifício: Manter 75%: 5 pontos Não
Crédito 2 Gestão de resíduos em obra: 50% fora do aterro: 1 ponto Sim
Crédito 2 Gestão de resíduos em obra: 75% fora do aterro: + 1 ponto Sim
Crédito 3 Reúso de materiais: 5%: 1 ponto Não
Crédito 4 Conteúdo reciclado: 10% (pós-consumo + ½ pré-consumo): 1 ponto Sim
Crédito 4 Conteúdo reciclado: 20% (pós-consumo + ½ pré-consumo): + 1 ponto Não
Crédito 5 Materiais regionais: 10%: 1 ponto Sim
Crédito 5 Materiais regionais: 20%: + 1 ponto Sim
Crédito 6 Madeira certificada FSC: 1 ponto Sim
Qualidade no Ambiente Interno Pontos possíveis: 12 Meta
Prereq 1 Qualidade do ar Interno Obrigatório
Prereq 2 Controle da fumaça de tabaco Obrigatório
Crédito 1 Monitoramento do ar exterior: 1 ponto Não
Crédito 2 Ventilação adicional: 1 ponto Não
Crédito 3 Plano para qualidade interna do ar durante a obra: 1 ponto Sim
Crédito 4.1 Materiais com baixo VOC: Adesivos e selantes: 1 ponto Sim
Crédito 4.2 Materiais com baixo VOC: Tintas e revestimentos: 1 ponto Sim
Crédito 4.3 Materiais com baixo VOC: Sistemas de piso: 1 ponto Não
Crédito 4.4 Materiais com baixo VOC: Comp. Madeiras e fibras naturais: 1 ponto Não
Crédito 5 Controle de fontes poluidoras e prod. químicos no ambiente interno: 1 ponto Não
Crédito 6 Controlabilidade dos sistemas: Conforto térmico: 1 ponto Não
Crédito 7 Conforto térmico: Projeto ASHRAE 55: 1 ponto Não
Crédito 8.1 Iluminação natural para 75% dos espaços: 1 ponto Não
Crédito 8.2 Acesso a paisagens para 90% dos espaços: 1 ponto Não
Inovação de Projeto Pontos possíveis: 6 Meta
Crédito 1.1 ID: Programa de educação ambiental: 1 ponto Sim
Crédito 1.2 ID Torre de Resfriamento: 1 ponto Não
Crédito 1.3 SSc4.1 - Transporte Alternativo, Acesso ao transporte público: 1 ponto Sim
Crédito 1.4 SSc7.1 Ilhas de calor, Não-cobertura: 1 ponto Sim
Crédito 1.5 SSc5.2 Desenvolvimento local, Área livre de construção: 1 ponto Sim
Crédito 2 Profissional acreditado LEED® : 1 ponto Sim
Prioridades Regionais Pontos possíveis: 4 Meta
Crédito 1.1 WEc1 Água potável para paisagismo: 1 ponto Sim
Crédito 1.2 EAc1 Otimizar eficiência energética: 1 ponto Sim
Crédito 1.3 EAc5 Medição e verificação: 1 ponto Sim
Crédito 1.4 EAc3 Comissionamento avançado: 1 ponto Sim

principais diferenciais e estratégias

- Critérios para escolha do terreno

- Conectividade com a comunidade

Créditos LEED correlacionados: SSc1 e SSc2

A escolha terreno do Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco 3) seguiu alguns critérios de sustentabilidade para minimizar seus impactos, como: Não é uma área primariamente agrícola, não apresenta espécies ameaçadas de extinção, não é uma área sujeita à inundações, não é um manguezal e não é um parque ou equipamento público de lazer.
Adicionalmente, o local de implantação do projeto oferece diversos serviços nas proximidades, reduzindo a necessidade de deslocamentos para seus ocupantes

  • Fácil acesso ao transporte público
  • Infraestrutura para ciclistas
  • Vagas preferenciais para veículos de baixa emissão e baixo consumo
  • Incentivo ao uso de métodos de transporte alternativos

O empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco 3) está localizado próximo a dois pontos de ônibus na Rua Professor Pereira Reis. Dessa forma, o empreendimento irá contribuir com a diminuição das emissões de gases de efeito estufa e do consumo de recursos naturais, impactos diretamente relacionados ao uso de transporte individual.

O empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco 3) incentiva o uso da bicicleta como meio de deslocamento diário de seus usuários através da promoção de infraestrutura adequada, composta por bicicletário e vestiários para seus ocupantes.A bicicleta é considerado um meio detransporte de baixo impacto ambiental,pois dispensa o uso de recursos não renováveis e não é poluente. O empreendimento dispõe de um bicicletário seguro com 56 vagas e vestiários equipados com chuveiros e armários. Para garantir a segurança e a comodidade dos ciclistas, foi criado um projeto de sinalização com identificação do percurso e da infraestrutura disponível.

O projeto prevê poucas vagas de estacionamento para carros, atendendo apenas a legislação e incentivando o uso de métodos de transporte alternativos.
Além disso, este empreendimento incentiva o uso veículos de baixa emissão e baixo consumo, disponibilizando 48 vagas preferenciais para usuários com estes veículos. As vagas estãodivididas nos 4 subsolos em posições privilegiadas, próximas ao Hall de entrada do edifício.

  • Áreas livres de construção em 33% do terreno

O projeto oferece 8.893 m² de ambientes abertos, promovendo a biodiversidade e 33% de Áreas Livres de Construção em relação à ocupação dos edifícios.

  • Cobertura pintada em cores claras

O empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco 3) possui mais de 75% de pintura da cobertura com SRI (índice de refletância solar) acima de 78, estratégia que evita a absorção excessiva de calor para a melhoria do microclima urbano e o bem estar das pessoas.

  • Utilização de água de reuso parra irrigação
  • Utilização de dispositivos sanitários economizadores de água
  • Redução de 23% da demanda anual de água potável do empreendimento

O empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco 3) adotou como estratégia para a redução do consumo de água potável para abastecimento das suas demandas, a utilização de dispositivos de baixo consumo de água, como bacias de duplo acionamento, equipamentos de controle de vazão e fechamento automatizado nas torneiras.

A composição paisagística adotou em sua totalidade espécies que demandam pouca irrigação. Além disso, a irrigação no empreendimento Porto Atlântico –Equador Leste (Bloco 3) será feia através de água de reuso.
REDUÇÃO DO CONSUMO DE ÁGUA

  • Eficiência energética de 15,09% acima de um edifício padrão ASHRAE 90.1-2007 ¹
  • Sistema de iluminação artificial de elevada eficiência luminosa e baixo consumo energético
  • Comissionamento dos sistemas que consomem energia
  • Motores elétricos trifásicos de alto rendimento
  • Medição setorizada do consumo de energia das áreas comuns por uso final
  • Medição de energia individualizada por locatário

(1) Ashrae–American Society of Heating, Refrigerating and Air-Conditioning Engineers –Norma Norte Americana onde estão estabelecidos os padrões de eficiência energética para diferentes tipologias de edificações.

As estratégias de eficiência energéticas adotadas no projeto representaram uma economia no custo de energia de 15,09% em relação ao baseline estipulado pela norma norte-americana ASHRAE 90.1-2007.
As principais estratégias implementadas no edifício foram:
Iluminação:
O desligamento automático da iluminação de áreas externas será controlado por meio de fotocélulas integradas à automação. O acionamento se dará por ausência de luz natural por meio de relé fotoelétrico e programação horária para desligamento por meio da automação.
Algumas áreas de circulação e o hall dos andares de estacionamento serão controlados por sensor de presença. Os demais pontos de iluminação interna de área comum estão integrados à automação para desligamento por meio de programação horária.
O consumo de energia da iluminação do edifício é 14% menor do que um edifício comum

Sistema de Ar Condicionado:
O edifício faz parte de um condomínio com sistema de ar condicionado de alta performance,com isolamento térmico de tubos e dutos conforme requisitos da ASHRAE 90.1-2007. O projeto conta com tecnologias inovadoras para uma operação eficiente ao longo do ciclo de vida da edificação.
Medição setorizada de consumo de energia:
Está previsto em projeto um sistema de leitura remota para monitorar o consumo de energia por uso final dos sistemas prediais nas áreas comuns do empreendimento, para garantir a eficiência energética e otimizar o sistema operacional do edifício. Comissionamento:
Todos os sistemas que consomem energia foram comissionados para garantir o funcionamento adequado e eficiente, como uma garantia adicional para o greenbuilding.Além disso o CTE elaborou treinamentos para a equipe de operação predial e organizou os manuais dos sistemas.

  • Taxa de renovação de ar externo acima do mínimo recomendado
  • Proibição de fumo em todo o empreendimento
  • Controle de emissão de Compostos Orgânicos Voláteis (COV)nos acabamentos

É premissa do empreendimento a proibição do fumo em todas as áreas internas e externas com exceção do fumódromo, o que limita a exposição dos usuários aos compostos tóxicos e cancerígenos do tabaco, além de promover uma reflexão dos riscos do fumo à saúde humana.
A garantia da qualidade do ar em ambientes de trabalho proporciona o aumento da produtividade e bem estar dos ocupantes. Por esta razão, no empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste (Bloco 3) , a renovação de ar externo supera as taxas recomendadas pela associação Norte Americana de sistemas de ar condicionado - ASHRAE 62.1-2004.

Todos os materiais de acabamento do empreendimento passaram por um rigoroso controle quanto aos níveis de emissão de Compostos Orgânicos Voláteis(COV),elementos químicos que volatilizam em condições ambiente e são nocivos à saúde humana, além de contribuírem para a poluição atmosférica. O controle da semissões de COV melhora a qualidade do ar promovendo o bem estar dos funcionários da obra e dos futuros ocupantes do empreendimento.
As tintas e adesivos utilizados tem a água como base para a sua composição e, para os pisos, foram priorizados materiais de origem mineral, que não possuem COV, como concreto. Os pisos cerâmicos escolhidos possuem o selo FloorScore, que garante a emissão mínimados COVs para a qualidade do ambiente interno.

  • Prevenção de poluição nas atividades de construção
  • 96,96% dos resíduos de obra desviados de aterros sanitários
  • 21,01% de materiais com conteúdo reciclado
  • 63,96% de materiais regionais
  • 69,95% de madeira certificada FSC
    Para minimizar a poluição gerada nas atividades de construção, foi implementado um plano de prevenção da poluição do ar, da água e do solo contendo estratégias como:
  • Sistema de lavagem de rodas de veículos evitando as saída de sedimentos do canteiro para a rodovia de acesso;
  • Sistema de lavagem das bicas dos caminhões de concreto;
  • Contenção de saída de sedimentos nos acessos e sob o tapume;
  • Controle de sólidos sedimentáveis e turbidez nos efluentes lançados na drenagem pluvial;
  • Controle de vazamentos de maquinário e equipamentos;
  • Controle da geração de poeira com estabilização de vias e aspersão de água
  • Proteção das bocas de lobos para contenção dos sedimentos na rede de drenagem pluvial interna;
  • Dedicação exclusiva de funcionários para limpeza da obra e manutenção constante das estratégias.
  • Todas as estratégias foram planejadas previamente, através de projetos de canteiro, de forma a antecipar todas as etapas com o objetivo de implementar as ações necessárias de forma preventiva.

    Além de minimizar os impactos causados na vizinhança, as estratégias listadas garantem o bem estar dos funcionários da obra.

A gestão consciente dos resíduos de obra ocorreu durante todo o processo de construção.
Os resíduos gerados foram separados por tipo e classe de acordo com a Resolução do CONAMA 307/02 e encaminhados cada qual para a sua destinação, sempre com o objetivo de reuso e reciclagem. Os resíduos perigosos foram encaminhados separadamente para aterros autorizados e para co-processamento.
Todo o processo de destinação de resíduos foi controlado através de documentos que comprovam o transporte e a destinação. Todas as partes envolvidas no processo estão legalmente aptas a exercerem às atividades de transporte, armazenamento, reciclagem e aterro.

O empreendimento optou pela escolha de materiais regionais, extraídos, manufaturados e beneficiados dentro de um raio de 800Km da obra, que além de incentivar a economia local, contribuem com a redução no consumo de energia e na emissão de gases de efeito estufa relacionados aos deslocamentos com transporte. Também foram selecionados materiais com conteúdo reciclado, que contribuem para diminuição do consumo de matéria prima virgem, dos gastos energéticos e da emissão de poluentes, relacionados à produção de novos materiais.
Foram adquiridas apenas madeiras com certificação FSC em elementos incorporados nos edifícios. Essa certificação controla toda a cadeia de custódia de produção da madeira, desde a sua extração até os trabalhos da marcenaria e vendas, contribuindo para a redução do desmatamento e do comércio de madeira ilegal.

  • Promoção de infraestrutura para a reciclagem
  • Programa de Educação ambiental e Manual dos Locatários

Para garantir a prática de reciclagem no uso e operação do empreendimento Porto Atlântico – Equador Leste, foi construído um depósito central específico para os resíduos recicláveis, separado dos depósitos de resíduos comuns. Além disso, para facilitar a logística de retirada dos resíduos e conscientizar os usuários do empreendimento, existem também depósitos temporários nos armazéns com espaço para resíduos recicláveis e não recicláveis.
Além do website para o Programa de Educação Ambiental, o empreendimento possui um Manual do Locatário com informações referentes a seus diferenciais ambientais e com orientações de boas práticas para que os usuários possam ter uma vida mais saudável e sustentável.

Plantas Plantas

Localização Localização

Rua Equador, 43

Rio de Janeiro, RJ

VideoVÍDEO

Acompanhe a obraAcompanhe a obra

Projeto Executivo
 
Fundação
 
Estrutura
 
Alvenaria
 
Instalação
 
Acabamento
 

Status geral:

Fotos da Obra

Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016
Foto da obra referente ao mês de Julho 2016